Notícias

Reeducação alimentar promove qualidade de vida a novas pessoas no município

A nutricionista do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (Nasf) Lovane Foletto, promoveu na quarta-feira (27), um balanço, contendo um comparativo dos dados nutricionais do início até o final do grupo de Reeducação Alimentar e Atividade Física, incentivado pela Secretaria de Saúde de Pato Bragado. O encontro foi realizado na nova Unidade Básica de Saúde e também marcou o encerramento das atividades em 2019.

O grupo foi formado em setembro, a partir do panorama mundial e brasileiro de doenças crônicas não transmissíveis se tornarem um desafio para a saúde pública. “A prevalência de sobrepeso e obesidade cresceu de maneira importante nos últimos anos. Neste cenário epidemiológico do grupo de doenças crônicas não transmissíveis, destaca-se a obesidade por ser simultaneamente uma doença e um fator de risco para outras doenças, como a hipertensão e diabetes”, revela a nutricionista.

 

REAPRENDER A COMER

 “Iniciamos com 12 inscritos, mas apenas seis, entre 42 e 78 anos, compareceram em todos os encontros”, conta Lovane. A desistência, conforme a profissional, se deve a mudança de estilo de vida, pois exige força de vontade e perseverança. “Como há necessidade de mudança, as pessoas tendem a desanimar, pois hábitos já incorporados são difíceis de abandonar. É mais fácil se acomodar e deixar tudo como está. Por isso à pessoa precisa aprender o significado e a importância de comer bem, trocando maus hábitos por bons hábitos alimentares e isso não ocorre do dia para a noite. É um processo demorado que se chama reeducação alimentar e a pessoa que está acima do peso quer milagre, algo fácil e que alguém a emagreça”, aponta.  

 

VIDA SAUDÁVEL

A nutricionista declara que o objetivo dos envolvidos foi adotar um estilo de vida saudável. “A partir disso aprenderam sobre alimentação saudável, atividade física e também tiveram o apoio psicológico para lidarem com a compulsão alimentar e consequências da obesidade, com a equipe de multiprofissionais da Secretaria de Saúde (nutricionista, educadora física, psicóloga e clínico geral)”, detalha, avaliando positivamente os resultados, já que os seis participantes reduziram 12,9 kg de peso e 13,5 cm de cintura.